Viagem à Frederico Westphalen

Na madrugada de sábado, dia 4, fui visitar a terra dos Milani’s, também conhecida como Frederico Westphalen. Fui acompanhado e acompanhante da Jô e meu amigo/irmão Marcus Vinícius. Saímos de Santiago por volta da meia noite e chegamos por volta das 4 da manhã, quando fomos esperados por Melissa e Alisson.

Frederico, para os outros, surgiu com os primeiros carreteiros. Numa das viagens entre Iraí e Seberi, um barril de cachaça caiu da carroça, se danificando. Aí, o carreteiro responsável pela carga teve a ideia de colocá-lo de boca para baixo sobre uma fonte, abaixo de uma sombra, introduzindo uma taquara no orifício lateral. Assim, o lugarejo tornou-se um ponto de descanso e encontro que foi crescendo na selva do Vale do Alto Uruguai, e passou a chamar-se simplesmente “Barril”, nome que permaneceu por anos. Mais tarde, pelo Decreto 30, do Prefeito de Palmeira das Missões, por decisão de uma assembleia de moradores, foi fixado o nome de Vila Frederico Westphalen, homenageando o Engenheiro que colonizou a região sob o comando do Governo do Estado.

Frederico, para mim, surgiu quando minha avó saiu de Ijuí e voltou a morar na cidade que deu origem a meu pai e seus irmãos. Eu devia ter uns 10 anos. Meu pai e todos os meus tios nasceram e se criaram por ali. Essa produção de filhos misturou os sangues Guerra (por parte de vó) e Milani (por parte de vô). A primeira cidade que conheci bastante, além de Santiago, foi Frederico. As minhas viagens adolescentes, foram à Frederico. A cidade que conta a história dos meus ancestrais paternos, é Frederico. A primeira cidade em que sofri um assalto, foi Frederico. A primeira vez que achei 50 reais, foi em Frederico. Minha primeira paixão adolescente, foi em Frederico.

Rua com o nome do meu bisavô, em Frederico Westphalen.

Aliás, Frederico Westphalen é a zona norte de Mahmejor.

 

Foto (vista aérea): Retirada do site da prefeitura de Frederico Westphalen.

Foto (rua Arthur Milani): Luiz Paulo Milani.

Fonte: Minhas memórias.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Diário, Na estrada

2 Respostas para “Viagem à Frederico Westphalen

  1. Felipe Freitag

    A parte do assalto eu posso confirmar, rsrsrsrsrs.

  2. Caramba, mano. O texto ficou maravilhoso, emocionei-me em vários trechos. Estou começando estudar Mahmejor profundamente, teu país inteiro de cabo a rabo. Vamos visitar a zona sul, em breve. Tamo junto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s