Um Martelo E Um Picador De gelo

Antigamente, os caras pensavam que, ao cortar nervos do cérebro, conseguir-se-ia reduzir o afeto e emoção para diminuir a criatividade e a imaginação, com a ideia de que tais características poderiam comprometer ainda mais a sanidade de pacientes psiquiátricos. Esse tipo de procedimento era chamado de lobotomia ou psicocirurgia.

Em meados de 1936 a 1950, Walter Freeman (o sujeito simpático que está martelando a cabeça do camarada da foto) desenvolveu uma técnica que pareceu ter sido criada numa garagem num domingo de tarde. Walter resolveu chamar sua criação de “ice pick lobotomy”, um procedimento no qual era literalmente utilizado um picador de gelo e um martelo de borracha ao invés de equipamento cirúrgico para realizar a lobotomia transorbital. Sem qualquer cicatriz visível, a lobotomia com picador de gelo foi tida como um grande avanço em cirurgia e era realizada com o avanço da anestesia local ou, quando realizada em hospitais psiquiátricos sem salas de cirurgia, após o uso de eletroconvulsoterapia para deixar o paciente inconsciente.

No que hoje é considerado uma barbarie, Freeman martelava o picador de gelo dentro do crânio logo acima do duto lacrimal e movia-o em várias direções.  E, com toda comercialidade do espírito americano, divulgou as lobotomias por todo seu país viajando em uma van que ele batizou de “lobotomobile” (algo como o batmóvel das lobotomias).

A divulgação de Freeman tornou a lobotomia popular, como uma cura para qualquer doença percebida, incluindo mal-comportamento em crianças.

O Brasil não ficou fora dessa. Em 1944, foi introduzido no Hospital São Pedro (em Porto Alegre) pelo cirurgião Almir Alves o procedimento da psicocirurgia, sendo que em um mês foram praticadas 25 intervenções.

É difícil acreditar, mas a psicocirurgia ainda é legalmente praticada e controlada nos Estados Unidos, Finlândia, Suécia, Reino Unido, Espanha, Índia, Bélgica, Holanda e no Brasil, no estado de São Paulo (como último recurso). Isso sim é loucura!

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Informação, Psicologia

2 Respostas para “Um Martelo E Um Picador De gelo

  1. E depois o louco sou sempre eu, que to quieto no meu canto!

    Abraço!

  2. jonathas estevam

    Nossa! e uma coisa que deve deixar um trauma,nos sistemas nervoso da pessoa,gostaria de saber como elas ficam depois do acontecido ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s