Arquivo da categoria: Informação

Encuentro en el estúdio

Descobri da existência de um rico programa de televisão da Argentina: Encuentro En El Estúdio. Ele é um programa do canal educativo Encuentro, do Ministério da Educação da Argentina. Em cada edição, o apresentador e ex-radialista Lalo Mir conversa com cantores e grupos destacados da cena latino-americana, dos mais diversos gêneros. O apresentador é sempre acompanhado pelo famoso engenheiro de som Jorge “Portugués” da Silva.

O nome “Encuentro en el Estudio” se deve ao fato de ser gravado nos estúdios ION, onde foram registradas as músicas mais importantes da Argentina nos últimos 50 anos. Entre os grandes nomes que registraram suas obras ali estão:  Astor Piazzolla, Mercedes Sosa, Charly García, Fito Paes, Vinícius de Moraes e João Gilberto. Em entrevista ao programa, Pedro Aznar, que além de músico e compositor também é produtor musical, cita que a aparelhagem presente no estúdio ION foi a primeira digital em toda a Argentina.

Como anexo deixo a entrevista de Vitor Ramil de agosto de 2012, onde o músico pelotense fala sobre a Estética do Frio e sobre sua obra em geral, além de cantar algumas canções ao lado do argentino Carlos Moscardini. Entre as canções, destaco Deixando o Pago, que foi musicada em cima de um poema de João da Cunha Vargas, alegretense.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Informação, Latino América, Música

O homem da erva

Barão do Cerro Azul era como chamavam Ildefonso Pereira Correia, paranaense. Foi o maior exportador de erva-mate do Paraná e maior produtor de erva-mate do mundo. Dizem que foi executado por razões morais referentes a revolução federalista.

1 comentário

Arquivado em Informação

Evil Dead Contemporâneo

A vontade de manter os elementos do clássico trash-cult original em cena é latente. Se bem que  já era de se esperar com Sam Raimi, diretor da trilogia original, trabalhando como produtor.  A direção é de Fede Alvarez, um uruguaio que produziu o premiado curta Ataque de Pânico!. O elenco conta com um monte de gente desconhecida.

Sobre a história, quem não conhece teria diversão em ir atrás do original, já que parece que alguns fatos vão mudar, porém as cenas vão se repetir. O grande diferencial da produção atual é o alto investimento financeiro.

Minha grande preocupação é com a adoração (temporária, claro) pelo novo filme e o esquecimento do antigo, tal como foi com o Massacre da Serra Elétrica.

Abaixo segue o primeiro trailer de Evil Dead contemporâneo:

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema, Informação

Eu Não Preciso de Cotas, Mas Há Quem Precise

Sempre defendo a liberdade de expressão e a magnífica oportunidade que temos de pensarmos individualmente (quando é possível, se for possível, é claro). Agora, do modo que tomo parte de defensor, exijo ser defendido, ou apenas entendido ou respeitado. Claro que cabem críticas, tecnologia que nos deixa um passo a frente das máquinas.

O título é para chamar mesmo a atenção. Antes que me digam que eu não preciso de cotas raciais em vestibulares por ser branco e mais uns monte de blá blá blá. Em primeiro lugar, falar em algo racial é complicado. Assim, estamos falando de raça. Alguma pessoa que está a ler este texto, por ventura, não é da raça humana? Então, é claro que deixamos de lado um problema de racismo para conversarmos sobre um problema de cor.

Nós, homens, raça humana, multicolores, desde que nos conhecemos como seres pensantes (até por ali) nos damos por liberdade de fazer diferenciações. Possivelmente influenciados pelas dicotomias do capitalismo, mas isso é uma conversa para outra hora. Voltando: Diferenciamos classe, grau, gênero e cor. Vejamos, somos diferenciadores e diferenciados, afinal, somos também construtores e construtos dos nossos sistemas.

Já tendo citado algumas ideias para nos introduzir ao contexto, cito: Há um tempo atrás, cerca de uns 3 ou 4 anos, lembro de ter lido o nome de uma comunidade em uma rede social que me fez notar e pensar (ainda bem) como alguns membros da raça humana constroem ideias, ou formas de existência. O título da tal comunidade era: “Eu Não Preciso de Cotas, e Você?”. Uma boa forma de chamar uma comunidade com muitas pessoas de cor branca e talvez com oportunidades ímpares na qualidade estudantil.

Para que o Brasil não tenha tal sistema de cotas, é necessário admitir que estaremos tentando construir um país ideal. Ideal como aquilo que não alcançaremos. Quero dizer, onde está o Brasil sem diferenciação de cor? E, onde está o Brasil que oferece a mesma qualidade de ensino para todos os seus habitantes? Para quem não entendeu, aqui estou me referindo as diferenças entre escolas públicas e particulares, pública e pública e particular e particular. E, acima de tudo a todos aqueles cursinhos que antecedem o vestibular.

Também posso afirmar aqui que ninguém é prejudicado, tendo em vista que na competição (no caso o vestibular) ocorre com duplicidade, ou seja, os que participam das cotas só disputam com esse grupo e o restante da mesma forma. Desse modo, é falso dizer que um estudante com maior escore perde a vaga para um com menor escore por critério de cor.

E, se as cotas são consideradas discriminações partindo do Estado, então devemos considerar como tal tudo que diferencie alguns de outros, como incentivos fiscais, atendimentos prioritários, descontos estudantis, entre outros.

Espero ter chegado onde queria chegar.

2 Comentários

Arquivado em Diário, Informação

Um ano de critérios

Eu estava dando uma olhada em algumas postagens antigas e me dei conta que nesse mês completou um ano de existência do blog. Bom, mas isso. Parabéns a ele.

Deixe um comentário

Arquivado em Informação

Anathema: Weather Systems

O Anathema lançou em abril do corrente ano o disco Weather Systems, para suceder We’re Here Because We’re Here lançado em 2010. Na internet, li algo onde constava uma declaração de Daniel Cavanagh: “Não estamos fazendo música para festas. Nossa música é para levar o ouvinte longe, levá-los ao fundo da alma, onde tudo é profundo e frio”. Genial!

O disco foi gravado em Liverpool, País De Gales e Oslo, e produzido pelo próprio Daniel Cavanagh. Quanto a minha opinião sobre as novas músicas, fico devendo um parecer a fundo, pois ainda estou escutando o álbum pela primeira vez.

Além do lançamento, a banda inaugura um novo tecladista: O português Daniel Cardoso, que participou das gravações do disco de Anneke Van Giersbergen como baixista, guitarrista e produtor.

2 Comentários

Arquivado em Informação, Música

Azegrama

Esta forma poética foi criada por meu amigo/irmão/compadre Diego Fiorenza Nunes. A ideia é seguir a norma de que as palavras devem começar com a ordem de letras, de A até Z. Daí o nome Azegrama.

Partindo dessa questão construí um agora a pouco enquanto pensava e olhava o horizonte. O local de criação foi a minha casa. Abaixo a minha tentativa:

Agora

Bailou.

Cantei,

Divaguei,

Expressei,

Falei.

Geralmente

Humanos

Incomodam

Jurando

Lamentos,

Mesmo

Nas

Omissões.

Parecem

Queixosos

Resmungos.

Sabem

Torturar

Uivando

Versos

Xoxos,

Zangados.

Deixe um comentário

Arquivado em Informação, Literatura